Na Câmara, especialistas sugerem mudanças no texto do pacote anticrime


Os participantes divergiram de opinião sobre proposta
Especialistas debateram hoje (17), na Câmara dos Deputados, o pacote anticrime enviado pelo governo federal. A maioria defende mudanças no texto, principalmente em relação a termos jurídicos. O pacote também dividiu opiniões. Alguns argumentam que o projeto não atingirá o objetivo de combate à corrupção, à impunidade e à violência - além de representar mais gastos para o Estado. Outros argumentam que consolida a vontade popular manifestada na eleição do presidente Jair Bolsonaro. 

Na avaliação da jurista Maria Cláudia Bucchianeri Pinheiro, uma das participantes do debate, três pontos chamam a atenção. O primeiro é o fato de a “linha mestra do projeto” ser a premissa de que a política de encarceramento é uma forma adequada e eficiente na solução da criminalidade. “Um preso custa entre R$ 2,5 mil e R$ 3 mil por mês ao Estado. Essa é a melhor forma de alocarmos nosso dinheiro? A população carcerária aumentou 500% nos últimos 22 anos. Isso não melhorou a situação em nosso país”, disse a advogada. 

Segundo ela, a proposta prevê regimes “necessariamente fechados, nos quais o juiz estabelece parâmetros sem teto [prazo para a duração da prisão]” e usa "expressões coloquiais” que permitiriam, aos juízes, aplicar conceitos subjetivos nos julgamentos que, posteriormente, poderiam ser anulados por tribunais superiores. “Há imprecisões terminológicas que dificultam até a tipificação dos crimes. Começa falando que a lei é voltada a combater crimes de grave violência. Este é um termo que não existe do ponto de vista jurídico e adjetiva a violência. Cada juiz vai entender e interpretar à sua forma, gerando insegurança jurídica e uma abertura que é incompatível com o Direito penal”, argumentou a jurista. 

Na avaliação do diretor da Federação Nacional de Entidades de Oficiais Militares Estaduais, coronel Elias Miler, apesar de alterações pontuais, o projeto, apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, representa uma vontade do povo brasileiro. “O povo brasileiro deu um recado nas eleições passadas. A partir do recado dado pelo povo soberano, que não aguenta mais a violência do país, não posso a partir de frases acadêmicas sair defendendo premissas”, disse o coronel. 

Para o coronel, o Brasil “encarcera pouco e mal”. “Dos 64 mil homicídios, 5% são esclarecidos. E desses 5%, apenas 1% gera condenação. Ou seja, 1% dos 64 mil. No Brasil, a cada ano acontecem 500 mil roubos. Não se apura 8% desse total”, argumentou. “Temos de sair do campo ideológico e vir para o campo da razão”, acrescentou. 


O professor universitário e membro do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), Humberto Fabretti, argumenta que a política de encarceramento não trouxe benefícios. "Temos de respeitar também direitos e garantias da minoria”, disse. 

Em sua participação, o delegado de Polícia Federal, Carlos Eduardo Pellegrini Magro, argumentou que os conceitos acadêmicos não condizem com o combate à criminalidade diário nas ruas. 

De acordo com a defensora pública do Rio de Janeiro Lívia Casseres, o projeto "diz que os policiais não tem condições de distinguir pessoas de bem de meliantes. Com isso, a proposta já apresenta o bairro com inimigo das forças de segurança”. De acordo com a defensora, 23% das mortes registradas no estado do Rio de Janeiro, em 2018, foram cometidas por policiais. 

Esta foi a primeira audiência pública no Grupo de Trabalho sobre Legislação Penal e Processual Penal. O pacote será debatido em outras audiências.

Fonte: 
Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil Brasília

COMMENTS

Nome

#OLabinho,4,=,1,Acidente,3,alba,1,Assassina,7,Auto-ajuda,4,b,3,Bahia,774,Barra da Estiva,2,BaSimoes Filhohia,1,BOLSONARO,8,Brasi,38,Brasil,3202,Brasília,41,Camaçari,2,CEADEB,2,chuva,4,chuvas,7,Claudia Wild,8,CNH,2,comercio,48,Copa,1,Correios,18,Corrupção,254,D'jane Silva,6,Damares Alves,1,Dança e Cultura,6,Denúncia,436,Denûncia,83,Desabamento,12,Destaque,2029,Detran,5,Distrito Fedral,7,drogas,2,Economia,403,Educação,78,Eleição,156,Elizeu Rosa,105,Emprego,37,Encostas,3,Energia,23,Entretenimento,205,Esporte,22,Eunápolis,11,Europa,1,Feira de Santana,16,FUNAI,2,Futebol,5,Google,6,Governo,48,Greve,15,Ilhéus,24,Indígenas,5,Inflação,5,Internacional,46,Internacional.,68,Internet,4,Itabuna,22,Jequié,81,Justiça,48,Lauro de Freitas,18,Meio Ambiente,34,Migrantes,30,Mundo,253,N,1,Natureza,17,Noticias,2415,Notícias,3400,Pastores,1,Paulo Afonso,2,Pobreza,13,poli,8,Policia,139,Polícia,404,Politica,1034,Política,2838,Porto Seguro,15,Presidente PTN,2,PTN,3,Religião,33,Rio de Janeiro,4,Rural,2,Salvador,333,Saúde,183,Segurança Pública,177,Simoes Filho,1,Simões Filho,2,STF,5,Tecnologia,28,Teixeira de Freitas,15,Terroristas,8,Trânsito,48,transporte,80,TRE,7,TSE,4,Violência,258,Vitória da Conquista,30,w,2,www,1,
ltr
item
Ebahia News: Na Câmara, especialistas sugerem mudanças no texto do pacote anticrime
Na Câmara, especialistas sugerem mudanças no texto do pacote anticrime
Ebahia News
http://www.ebahianews.com.br/2019/04/na-camara-especialistas-sugerem.html
http://www.ebahianews.com.br/
http://www.ebahianews.com.br/
http://www.ebahianews.com.br/2019/04/na-camara-especialistas-sugerem.html
true
6004791991803311525
UTF-8
Todas as publicações Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMENDADO PARA VOCÊ LABEL ARQUIVO PESQUISA TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhuma correspondência de pós com seu pedido Voltar Início Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy