Governo propõe, mas decisão de recriar imposto sobre pagamento é do Congresso, diz Guedes

Proposta de reforma tributária do governo será incluída em texto que já tramita na Câmara. Texto ainda está sendo fechado e deverá ser 'bastante conciliatório'


O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falam a jornalistas após reunião — Foto: Alexandro Martello/G1

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (21), que o governo apresentará "brevemente" ao Legislativo sua proposta de reforma tributáriacontemplando um imposto sobre transações financeiras nos moldes da extinta Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF).

Guedes disse que a recriação do tributo será uma "opção" a ser avaliada pelos parlamentares. "Essa conversa toda sobre imposto sobre transações, isso estava em um contexto, que a gente ainda considera, de desoneração da folha. Que é opcional", afirmou.

A volta do tributo teria como objetivo diminuir a tributação sobre a folha de pagamentos, como forma de estimular a geração de empregos no país.

Segundo o ministro da Economia, o responsável pela criação do imposto sobre transações foi o governo Fernando Henrique Cardoso - quando instituiu a CPMF.

De acordo com Guedes, na época todos os economistas apoiaram o novo imposto, pela rápida capacidade de tributação. "Ele [o imposto] põe dinheiro no caixa rápido", disse.

"Se for baixinho, não distorce tanto [a economia], mas essa vai ser uma opção também da classe politica. Eles tem que decidir. Podemos propor uma desoneração forte na folha de pagamentos a troco desse imposto. Se a classe política achar que mais importante, que as distorções causadas por esse imposto são piores do que os 30 milhões de desempregados sem carteira de trabalho, eles decidem. É uma opção difícil, é um trabalho difícil. Vamos tentar fazer", concluiu.

'Na entrada e na saída'

Segundo técnicos do governo, a tributação sobre movimentação financeira ainda está sendo fechada e se daria na entrada e na saída do dinheiro da conta, incidindo, portanto, sobre todos débitos e créditos.

O imposto incidiria ainda sobre trocas de produtos. Uma troca de veículos, por exemplo, só poderia ser oficializada com o recolhimento do tributo. Incidiria ainda sobre quitação de dívidas e operações de câmbio, por exemplo.

Segundo o ministro, a proposta do governo de reforma tributária buscará ser "bastante conciliatória" e também incluirá mudanças no Imposto de Renda.

Guedes tem dito que buscará reduzir a tributação das empresas, adequando-as aos patamares internacionais. Cogita-se ainda a proposição de um imposto sobre lucros e dividendos, assim como ocorre em outros países.

No caso do tributo sobre o consumo, a proposta do governo engloba somente os tributos federais, deixando de fora os estados e municípios - que poderiam adotar o novo regime posteriormente.

As declarações do ministro da Economia foram dadas após reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Maia disse que, quando o governo encaminhar sua proposta, será reaberto o prazo de discussão e de emendas ao projeto.

"Para que a PEC do governo também seja avaliada", afirmou. O texto deve ser incluído na proposta em discussão na comissão especial da Câmara, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

Comissão da Câmara traça plano de trabalho para reforma tributária
Jornal da Globo


Comissão da Câmara traça plano de trabalho para reforma tributária

Propostas em discussão

Atualmente, tramitam no Congresso Nacional duas propostas de reforma tributária.

Uma é de autoria do economista Bernard Appy, do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). O texto já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e teve instalada comissão especial para discuti-la.

Outra foi proposta pelo ex-deputado Luiz Carlos Hauly. O texto foiaprovado no fim do ano passado em comissão especial, porém, teve as ideias abarcadas em outro projeto cuja tramitação se iniciou novamente, desta vez pelo Senado Federal.

A proposta do CCiF e de Baleia Rossi substitui cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) pelo IBS, o Imposto sobre Bens e Serviços e contempla a cobrança do imposto no destino, ou seja, onde os produtos são comprados e não na origem, onde são produzidos.

O texto prevê a substituição do atual sistema pelo novo em até dez anos. Os dois primeiros anos seriam de teste – os oito anos seguintes, o período de transição propriamente dito.

Além disso, o projeto veda quaisquer benefícios fiscais. A exceção são os sistemas de devolução para as famílias mais pobres.

Já a proposta de Hauly contempla a substituição de 9 impostos por 1: o Imposto Sobre Operações de Bens e Serviços (IBS). Seriam extintos: ICMS estadual, ISS municipal, IPI, PIS, Cofins, Cide, Pasep, IOF e salário-educação.

Hauly também propõe a fusão da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) com o Imposto de Renda, e a criação de um imposto seletivo para os seguintes itens: energia, combustíveis, telecomunicações, cigarros e bebidas.

CCJ do Senado analisa as propostas de reforma tributária

COMMENTS

Nome

#OLabinho,4,=,1,Acidente,6,alba,46,Assassina,7,Auto-ajuda,7,b,3,Bahia,938,Barra da Estiva,8,BaSimoes Filhohia,1,BNDS,3,BOLSONARO,105,Brasi,49,Brasil,3372,Brasília,57,Camaçari,4,CEADEB,15,chuva,4,chuvas,7,Claudia Wild,8,CNH,2,comercio,49,COMUNISMO,17,Copa,1,Correios,19,Corrupção,267,D'jane Silva,6,Damares Alves,2,Dança e Cultura,18,Denúncia,449,Denûncia,94,Desabamento,13,Destaque,2041,Detran,5,dinheiro,3,Distrito Fedral,8,drogas,7,Economia,413,Educação,85,Eleição,159,Elizeu Rosa,121,Emprego,39,Encostas,3,Energia,23,Entretenimento,207,Esporte,24,Eunápolis,11,Europa,2,Feira de Santana,17,FUNAI,3,Futebol,6,GDF,1,Google,7,Governo,50,Greve,16,Ilhéus,24,Indígenas,8,Inflação,5,Internacional,51,Internacional.,68,Internet,5,Itabuna,23,Jequié,83,Justiça,59,Lauro de Freitas,21,Libertacao,1,Lva Jato,1,Meio Ambiente,39,Migrantes,33,Mundo,258,N,1,Natureza,24,Noticias,2428,Notícias,3488,Partido,2,Pastores,5,Paulo Afonso,2,Pobreza,14,poli,8,Policia,157,Polícia,415,Politica,1074,Política,2877,Porto Seguro,15,Presidente PTN,3,PTN,3,Religião,38,Rio de Janeiro,6,Rural,2,Salvador,344,SAU,1,Saúde,186,Segurança Pública,185,Serrinha,1,Simoes Filho,1,Simões Filho,3,SSAU,1,STF,5,Tecnologia,28,Teixeira de Freitas,16,Terroristas,8,Trânsito,48,transporte,83,TRE,7,TSE,4,Violência,267,Vitória da Conquista,30,w,2,www,1,
ltr
item
Ebahia News: Governo propõe, mas decisão de recriar imposto sobre pagamento é do Congresso, diz Guedes
Governo propõe, mas decisão de recriar imposto sobre pagamento é do Congresso, diz Guedes
https://s2.glbimg.com/b99EuDKsjJkKzEmw1syG2OXMA1g=/0x0:1280x960/984x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2019/9/y/B2RUosRsW7MguzfSFfXQ/whatsapp-image-2019-08-21-at-13.22.29-1-.jpeg
Ebahia News
http://www.ebahianews.com.br/2019/08/governo-propoe-mas-decisao-de-recriar.html
http://www.ebahianews.com.br/
http://www.ebahianews.com.br/
http://www.ebahianews.com.br/2019/08/governo-propoe-mas-decisao-de-recriar.html
true
6004791991803311525
UTF-8
Todas as publicações Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMENDADO PARA VOCÊ LABEL ARQUIVO PESQUISA TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhuma correspondência de pós com seu pedido Voltar Início Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy